Mundo

Japão: Jornalistas redigem jornal à mão

Depois do apagão causado pelo sismo que, a 11 de março, assolou o Japão, os jornalistas do diário Ishinomaki Hibi Shimbun resolveram redigir o jornal à mão, garantindo dessa forma que a população local continuasse informada.
Versão para impressão
Depois do apagão causado pelo sismo que, a 11 de março, assolou o Japão, os jornalistas do diário Ishinomaki Hibi Shimbun resolveram redigir o jornal à mão, garantindo dessa forma que a população local continuasse informada.

Seis elementos da redação ficaram encarregues de recolher histórias para publicar, enquanto que outros três jornalistas dedicavam, todos os dias, uma hora e meia à transcrição dos artigos, servindo-se de marcadores de feltro e folhas A3. Os jornais manuscritos eram depois afixados à entrada dos centros de evacuação de Ishinomaki.

Ao longo de seis dias consecutivos, os jornalistas informaram os residentes que o sismo “foi o maior da história do Japão”, deram conta da chegada de equipas de resgate a algumas das regiões atingidas pelo desastre natural, incentivaram a comunidade a ultrapassar as dificuldades através da entreajuda e deram a notícia de que a energia elétrica havia sido reposta.

O Museu do Jornalismo de Washington, nos Estados Unidos da América, adquiriu sete dessas edições especiais e prevê expô-las ao público a partir do dia 02 de maio, noticia o Washington Post.

“Estes jornalistas estavam empenhados em providenciar informação crucial à sua comunidade e usaram apenas papel e caneta para o fazer”, lê-se no site do museu.

A cidade de Ishinomaki foi uma das mais atingidas pelo sismo e posterior tsunami de 11 de março. Estima-se que 80% dos edifícios da cidade tenham sido destruídos, 1300 pessoas morreram e mais de 2700 continuam desaparecidas.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub