Saúde

Israel: Hologramas de orgãos em 3D ajudam cirurgias

Pode ser um importante avanço para a medicina. Uma equipa de médicos de Israel desenvolveu uma tecnologia de hologramas 3D que permite ver a anatomia do paciente a 'flutuar' no ar, durante as cirurgias, em tempo real.
Versão para impressão
Pode ser um importante avanço para a medicina. Uma equipa de médicos de Israel desenvolveu uma tecnologia de hologramas 3D que permite ver a anatomia do paciente a 'flutuar' no ar, durante as cirurgias, em tempo real.

O RealView Imaging LTD permite que os cirurgiões mexam e manipulem as imagens projetadas, oferecendo, assim, um acesso mais fácil e preciso aos órgãos durante a realização de procedimentos médicos invasivos complexos.


O projeto foi testado com sucesso em oito pacientes no Centro Médico Infantil de Schneider, em Israel, em colaboração com a Philips. Durante as operações cirúrgicas, os médicos utilizaram hologramas 3D dos corações dos doentes como meio de apoio para a intervenção.
 


Em declarações à Reuters, Elchanan Bruckheimer, um dos médicos responsáveis pelo RealView, afirma que o “sistema oferece aos cirurgiões informações sobre todo o órgão em tempo real”.
 
“Podemos ver tudo e saber, de forma intuitiva, o que está a acontecer dentro do corpo do paciente. Ou seja, os hologramas 3D servem de guia nos diversos procedimentos e ajudam a compreender melhor a anatomia em que se está a trabalhar”, explica Elchanan.
 
O RealView Imaging LTD funciona por meio de análise de dados e de projeção de luz condensada. De acordo com Shaul Gelman, outro dos criadores do sistema, as medições e as dimensões são produzidas por raios-X, ressonâncias magnéticas ou imagens de ultrassons que criam o holograma e a tecnologia que usa a luz de dispersão para projetar a imagem num ponto fixo do espaço.
 
“Ao contrário de outras soluções 3D, o RealView não precisa de óculos ou de qualquer outro tipo de proteção. Isso significa que não se trata de nenhuma ilusão ótica e sim da reconstrução de pontos de luz com cores no espaço”, revela Gelman.

“Estamos a criar estes pontos de luz com muita densidade o que origina uma imagem suave que permite ao cirurgião trabalhar e literalmente tocar nas imagens”.
 

Para Einat Birk, diretora do Instituto do Coração do Centro Médico de Schneider, o sistema é “muito intuitivo” uma vez que permite “ver o coração a flutuar à nossa frente, sendo possível cortá-lo, tocar-lhe e observar a interação entre o dispositivo e o tecido em torno dele”.

A equipa Israelita, responsável pelo desenvolvimento do RealView Imaging LTD, planeia lançar o sistema no mercado em 2015.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub