Ciência

Inventora de 13 anos cria chupas que curam soluços

Uma norte-americana de 13 anos desenvolveu uma solução para quando os "truques" caseiros já não resultam: os Hiccupops, chupa-chupas capazes de pôr fim aos soluços.
Versão para impressão
Não há, certamente, ninguém que já não tenha tentado, durante uma crise de soluços, os célebres “truques” caseiros que, ora resolvem o problema, ora não fazem qualquer efeito. Agora, uma norte-americana de 13 anos desenvolveu uma solução melhor: os Hiccupops, chupa-chupas capazes de pôr fim aos soluços.
 
A inovação foi criada pela jovem Mallory Kievman na cozinha da sua própria casa no Connecticut, EUA, a partir de uma mistura de chupa-chupas, vinagre de maçã e açúcar e venceu uma convenção infantil de invenções onde foi dada a conhecer.
 
“Esta amálgama ativa um conjunto de nervos na garganta e na boca que são responsáveis pelos soluços”, explicou a inventora ao New York Times. “Basicamente, o que acontece é que os nervos recebem uma estimulação excessiva e, portanto, a mensagem para soluçar é cancelada”, esclareceu.
 
Quando participou na Connecticut Invention Convention, Mallory não sabia se o produto iria ser “um sucesso ou um verdadeiro falhanço”, mas tinha uma certeza: “as pessoas iam adorá-lo ou iam achar-me louca”, confessou. 
 
A ideia acabou mesmo por convencer os júris do concurso e, graças ao sucesso, a norte-americana vai contar com o apoio de um grupo de estudantes da Universidade de Connecticut na construção de uma empresa que coloque os Hiccupops no mercado ainda este Verão. 
 
A equipa será coordenada pelo diretor executivo da incubadora de empresas daquela universidade, Christopher Levesque, que acredita que esta invenção tem “potenciais benefícios fantásticos para a sociedade”. 
 
“Os Hiccupops são um produto atrativo para as pessoas, que estas gostarão de saborear, e que, ao mesmo tempo, fornecerá uma ajuda médica importante. É inovador, nascido de pura ingenuidade”, salientou o responsável. 
 
Mallory espera conseguir, em breve, levar os Hiccupops às lojas norte-americanas e adianta também que, no futuro, quer explorar igualmente o mercado médico, uma vez que os soluços são um efeito secundário comum e desconfortável da quimioterapia.
 
“Sempre senti vontade de conseguir desenvolver alguma espécie de produto que pudesse, de certa forma, ajudar as pessoas”, concluiu a jovem, que, quando for adulta, quer seguir medicina. 

[Notícia sugerida por Anabela Figueiredo]

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório