Mundo

Índia: Jovens estudantes criam lingerie “anti-violação”

Depois da violação coletiva de uma estudante indiana num autocarro que, no final do ano passado, chocou o mundo e desencadeou fortes protestos, um grupo de alunos de Engenharia desenvolveu uma roupa interior que "protege" contra ofensas sexuais.
Versão para impressão
Depois da violação coletiva de uma estudante indiana num autocarro que, no final do ano passado, chocou o mundo e desencadeou fortes protestos, um grupo de alunos de Engenharia desenvolveu um protótipo de uma roupa interior que “protege” contra ofensas sexuais, dando choques elétricos aos agressores e alertando, de imediato, a família e os pais da jovem ou mulher atacada e a polícia.
 
“A lingerie, que tem incorporado um sistema GPS, um módulo de comunicação móvel e sensores de pressão, é capaz de dar choques elétricos de 3,800kV, além de alertar os pais e a polícia”, explica Manisha Mohan, uma das mentoras deste produto inovador batizado “Society Harnessing Equipment” (SHE, ou 'ela', na sigla em inglês), citada pelo jornal Indian Times. 
 
De acordo com Mohan, “os choques podem ser emitidos mais de 82 vezes”, sendo que o objetivo deste sistema é dar [às mulheres] “liberdade perante as situações que enfrentam nos transportes e nos locais públicos” e que, às vezes, as deixam envergonhadas, fazendo com que decidam não pedir ajuda.
 
“Quem tentar molestar uma rapariga vai apanhar o choque da sua vida no momento em que os sensores de pressão forem ativados. Ao mesmo tempo, os módulos GPS e GSM vão enviar uma mensagem de texto para o número de emergência 100 e para os seus pais”, descreveu a jovem estudante de engenharia da Universidade Sri Ramaswamy Memorial em Chennai.
 
Manisha Mohan, que trabalhou em conjunto com os colegas Rimpi Tripathi e Neeladri Basu Pal, revelou que a ideia de construir este produto surgiu depois da violação em grupo que aconteceu em Nova Deli, bem como de um ataque a uma trabalhadora de outra cidade indiana, com o objetivo de ajudar as mulheres “a protegerem-se a si próprias”. 
 
Entretanto, a invenção conquistou já um prémio Gandhian Young Technology Award 2013, atribuído pelo Indian Institute of Management. Os jovens têm recebido propostas para comercialização do produto mas, por agora, estão mais preocupados em afiná-lo para o tornar o mais útil possível.
 
“Ainda não está nada decidido”, adiantou a estudante, que revelou que a equipa está, neste momento, em contacto com um amigo do National Institute of Fashion Technology (NIFT) da Índia para descobrir qual o tecido ideal para o produto “para que possa ser lavável”. 

Notícia sugerida por David Ferreira e Ana Guerreiro Pereira 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub