Sociedade

Idosos portugueses confessam (e realizam) sonhos

"O que quer fazer antes de morrer?". Foi a esta pergunta que responderam, no âmbito de um projeto fotográfico desenvolvido pelo Centro Comunitário da Gafanha do Carmo, em Ílhavo, cerca de três dezenas de idosos portugueses.
Versão para impressão
“O que quer fazer antes de morrer?”. Foi a esta pergunta que responderam, no âmbito de um projeto fotográfico desenvolvido pelo Centro Comunitário da Gafanha do Carmo, em Ílhavo, cerca de três dezenas de idosos portugueses, provas vivas de que nunca é tarde para sonhar (e, muito menos, para realizar sonhos).
 
Inspirada pelo projeto norte-americano “Before I die…”, a iniciativa “Antes de morrer quero…” reuniu os idosos que frequentam aquele centro aveirense e pediu-lhes que partilhassem um desejo ainda por concretizar.
 
As respostas – desde “andar de avião” a “ver um jogo do Benfica ao vivo” ou “conhecer o Marco Paulo” – foram captadas em fotografias divulgadas, em Junho, na página oficial do Centro Comunitário da Gafanha do Carmo, onde rapidamente se tornaram virais, arrecadando milhares de 'gostos' e partilhas e outros tantos comentários.
 
O que estes idosos não imaginavam era que a realização destes sonhos poderia estar tão perto. Graças à popularidade conquistada pela iniciativa na Internet, muitos deles conseguiram, já, concretizar os seus desejos com a colaboração de vários organismos e personalidades nacionais.
 
Antes de morrer, Fidalga Lopes, que “pertenceu, desde sempre, a diversos grupos de canto”, queria “voltar a cantar para muita gente”. O sonho da idosa foi realizado pelo ator e comediante César Mourão, que a convidou para um dos seus espetáculos no Theatro Circo, em Braga.
 
Fidalga foi “recebida com várias ovações de pé” e “realizou o seu grande sonho”, cantando para uma plateia de cerca de 1.000 pessoas. “Não temos palavras para descrever a emoção que sentimos”, escreveram, no Facebook, onde partilharam a história, os responsáveis do Centro Comunitário da Gafanha do Carmo.


Alfredo realizou o sonho de voar pela primeira vez © Centro Comunitário da Gafanha do Carmo
 

Alfredo e Vitória, dois outros idosos do centro, tinham um desejo diferente: voar. Graças à colaboração do Aeroclube de Viseu, que se ofereceu para ajudar, puderam concretizar um sonho que achavam que “nunca seria possível” e levantaram voo a bordo de duas avionetas no início deste mês. 
 
“Para além da experiência única de voar, [os dois] conheceram pessoas fantásticas que nos receberam de uma forma emocionante”, garantiram os profissionais do centro, que documentaram o momento através de inúmeras fotografias publicadas nas redes sociais. 


Marco Paulo visitou o centro comunitário para surpreender a sua fã Alice, que sonhava conhecê-lo © Centro Comunitário da Gafanha do Carmo
 

Alice, por seu lado, sonhava conhecer um dos mais célebres nomes do panorama musical português: Marco Paulo. Sensibilizado com o projeto, o músico deslocou-se até ao Centro Comunitário da Gafanha do Carmo, onde distribuiu sorrisos e autógrafos, tornando realidade o desejo desta idosa.
 
Mas os sonhos realizados não se ficaram por aí. Palmira Simões, que não voltava à sua terra, a Figueira da Foz, há quase 10 anos, foi convidada pelo município a passar um dia na cidade na companhia de sete outros idosos.  Já Manuel Clemente, que dedicou uma vida à pesca do bacalhau e não entrava num barco há 40 anos, cumpriu o sonho de visitar o navio-museu Santo André com a colaboração do Museu Marítimo de Ílhavo.
 
Esta não é a primeira vez que o Centro Comunitário da Gafanha do Carmo conquista a atenção nacional graças às suas iniciativas originais. No início do ano passado, por exemplo, os utentes do centro recriaram o polémico 'videoclip' da música “Wrecking Ball”, de Miley Cyrus e conseguiram mais de 220 mil visualizações no Youtube.

Clique AQUI para conhecer os sonhos de todos os idosos de Ílhavo.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório