Saúde

Idosos: Perda de memória pode ser reversível

Um grupo de investigadores norte-americanos conseguiu identificar uma das principais causas da perda de memória com a idade. A explicação está numa proteína do hipocampo e a descoberta pode vir a conduzir a novos tratamentos para reverter o processo.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores norte-americanos conseguiu identificar uma das principais causas da perda de memória com a idade. A explicação está numa proteína do hipocampo e a descoberta pode vir a conduzir a novos tratamentos para reverter o processo.
 
Com recurso a ratos de laboratório e oito cérebros humanos doados para investigação científica, a equipa liderada pelo Nobel da Medicina Eric Kandel descobriu que o gene RbAp48 está diretamente associado à perda da memória com o envelhecimento.
 
Os resultados deram conta de que a quantidade de proteína produzida por este gene é 50% inferior nos cérebros mais velhos do que nos mais novos. Num total de 17 genes analisados, que indiciavam estar na origem de mudanças a nível do hipocampo, consoante a idade, o gene RbAp48 foi aquele que revelou mais alterações significativas.
 
Durante os ensaios, os cientistas conseguiram descobrir que ao 'desligar' a proteína nos ratos mais novos, eles perdiam facilmente a memória. Por sua vez, o reforço da proteína nos indivíduos mais velhos aumentava a sua memória.
“Ficámos surpreendidos por ver que aquele aumento não só melhorou a memória dos ratos, como levou a um desempenho semelhante ao dos ratos mais novos”, refere Elias Pavlopoulos, co-autor do estudo, em comunicado.

O estudo revela ainda fortes evidências de que a “perda de memória com a idade e a doença de Alzheimer são duas condições distintas”. Os investigadores garantem que esta se trata da primeira prova molecular da diferença entre a perda de memória relacionada com a idade e a doença de Alzheimer.

Os resultados, publicados na edição online da revista Science Translational Medicine, representam ainda um “forte potencial para serem transformados em novas terapias”.


Saiba mais sobre esta descoberta científica AQUI.

Notícia sugerida por Elsa Martins e Elsa Fonseca
 

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub