Cultura

Homens da Luta conquistam fãs na Alemanha

NULL
Versão para impressão
Jel e Falâncio chegaram, viram e venceram a cidade alemã de Dusseldorf, com a sua inusitada campanha de apelo ao voto na Eurovisão. A imprensa estrangeira já descreve os Homens da Luta como um “fenómeno social” e um “ícone da geração precária”.

A primeira meia-final do Festival Europeu da Canção realiza-se apenas esta terça-feira e a dupla portuguesa já deu que falar como poucos representantes portugueses naquele certame.

Publicações como o The Guardian e o El Mundo dedicaram artigos ao grupo, que nas conferências de imprensa ofereceu aos presentes pão, vinho e queijo de origem nacional.

Quem ainda se mostra reticente com esta participação dos Homens da Luta são três dos mais históricos representantes de Portugal na Eurovisão.

José Cid e António Calvário, que se apresentaram no festival europeu em 1980 e 1964, respetivamente, com as canções “Um Grande, Grande Amor” e “A Oração”, reconhecem que o tema de Jel e Falâncio é um reflexo “da época que o país atravessa” e com os problemas que as gerações mais novas enfrentam.

Contudo, nas palavras de António Calvário, “Não é uma canção para representar Portugal na Eurovisão; reflete o contexto especial, tem a ver com os nossos problemas e nada a ver com o Festival”, disse à agência Lusa.

A mais crítica é Simone de Oliveira: “A Luta é Alegria” é “panfletária e tem razão de ser num comício”, refere a cantora que, por duas vezes, participou na Eurovisão (1965 e 1969), popularizando os temas “Sol de Inverno” e “A Desfolhada Portuguesa”.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub