Negócios e Empreendorismo

Grupo português ajuda a construir estádios do Mundial

O grupo Martifer está a participar na construção de três dos doze estádios que vão acolher a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. A empresa portuguesa foi escolhida pela organização do Mundial para criar a cobertura e a fachada dos recintos.
Versão para impressão
O grupo Martifer está a participar na construção de três dos doze estádios que vão acolher a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. A empresa portuguesa foi escolhida pela organização do Mundial para criar a cobertura e a fachada dos recintos.

A Arena da Amazónia, na cidade de Manaus, a Arena Fonte Nova, em Salvador, o Estádio Castelão, em Fortaleza, e a Arena do Grêmio, em Porto Alegre contam com as estruturas metálicas do grupo de Oliveira de Frades, sedeado no distrito de Viseu.

A parceria estabelecida com a Martifer foi iniciada no ano passado, sendo que em Dezembro foram entregues as primeiras peças para a construção do Estádio Castelão. Em Janeiro, a empresa entregou a estrutura para a arena de Manaus, num barco que viajou de Aveiro até ao Estado do Amazonas.

“A participação da Martifer em projetos desta dimensão é muito importante, não só para o Grupo, mas também para a generalidade das empresas portuguesas, que beneficiam da imagem de qualidade, rigor e eficiência demonstradas pela empresa nos mercados internacionais”, salienta o vice presidente Jorge Martins, no site oficial da Martifer.

Image and video hosting by TinyPic
[© FIFA – A Arena da Amazónia, cuja estrutura se inspira no ambiente da maior floresta tropical do mundo, vai acolher 44.310 pessoas no Mundial]

A Martifer ganha cada vez mais terreno lá fora

Para o estádio de Fortaleza, a empresa teve a seu cargo a instalação de 34.000 metros quadrados de revestimento de cobertura, produzidos nas fábricas do grupo. O trabalho, “concluído em pouco mais de um ano”, vai ajudar a edificar uma arena com 67 mil lugares e um investimento de cerca de 193 milhões de euros.


Jorge Martins salienta que o Brasil é atualmente o “principal mercado” da empresa, “o que demonstra que o investimento na unidade industrial no país foi uma aposta acertada”. 110 milhões de euros é o valor da carteira de encomendas que o grupo mantém com várias entidades brasileiras.

Para além dos estádios que vão ser inaugurados a 16 de Dezembro pela presidente Dilma Rousseff, a Martifer tem prevista a contribuição em mais projetos naquele país sul-americano, como a criação de uma unidade industrial, de dois centros comerciais e ainda das pontes da Transcarioca e do Museu do Amanhã, ambos no Rio de Janeiro.


A Martifer tem conseguido ganhar terreno a nível internacional muito em parte pelas obras que edifica no território português. A empresa ajuda na construção das estruturas e da cobertura de vários estádios do Euro 2004, designadamente o Estádio do Dragão, Estádio Alvalade XXI, Estádio da Luz e Estádio Municipal de Aveiro.

Lá fora, o grupo participou em projetos como a Caja Magica, em Madrid, os estádios de Lyon e do Lille, em França, o Estágio de Gdansk, na Polónia, a Scottish Hydro Arena, no Reino Unido, e, o mais recente, o King Abdullah Sports City, na Arábia Saudita.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub