Inovação e Tecnologia

Grafeno poderá criar hardware maleável

NULL
Versão para impressão
Madrid foi palco de um congresso que juntou algumas das maiores multinacionais da Europa interessadas nas potencialidades do grafeno. Este metal pode vir a ser o plástico do futuro, usado para fazer ecrãs digitais e células fotovoltaicas muito finas e maleavéis. Uma das grandes empresas de telecomunicações até já projetou o protótipo de um telemóvel dobrável.

São várias as características que tornam o grafeno um material tão interessante. Primeiro é um metal muito resistente, cerca de 200 vezes mais que o aço, depois é extremamente flexível, podendo enrolar-se, e tem também um elevado grau de condutividade. Por tudo isso, Francisco Guinea, Prémio Nacional de Investigação espanhol, explicou ao El Mundo que o grafeno será a panaceia do século XXI.

“O grafeno será como o plástico. Estará em toda a parte, porque a amplitude dos seus usos é enorme, vai muito mais além do âmbito eletrónico”, explicou. Para compreender todas as potencialidades deste material, vários cientistas e representantes de diferentes setores industriais reuniram-se no Conselho Superior de Investigações Cientificas, em Madrid, na semana passada.

O grafeno ganhou renovada importância quando em 2010 dois investigadores russos ganharam o Nobel da Física ao extraírem o metal da ponta de um lápis. Apesar de inicialmente a utilização deste metal ser extremamente cara, com o tempo os novos métodos de extração tornaram-no mais barato.

“Agora o grafeno é mais barato, mas quando se começou a investigar, um grama de grafeno custava mais que o PIB de toda a União Europeia, por isso só se trabalhava com milésimas de milímetros”, recorda Guinea.

De telemóveis dobráveis a roupa inteligente

O metal é constituído por uma única camada de átomos de carbono, ou seja, é uma folha de espessura atómica, de um único átomo de carbono.
Por estas razões este material tem um grande potencial nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), mas não só. O setor das energias renováveis está também muito interessado, assim como o da biotecnologia.

“Em breve haverá ecrãs de grafeno sensíveis ao toque que serão, por um lado, mais baratas que as atuais, e por outro vão permitir substituir o silício, um material cada vez mais escasso”, explicou o cientista no comunicado divulgado pelo Conselho Superior de Investigações Cientificas.

Segundo notícia o jornal El Mundo, está já em projeção o protótipo de um telemóvel que se pode dobrar e guardar no bolso, que deverá ser apresentado no próximo ano. No setor das energias renováveis o grafeno será aplicado para produzir células fotovoltaicas mais finas, já que o grafeno pode gerar energia a partir da luz que recebe.

As aplicações são várias e vão desde o fabrico de óculos para ver à noite com deteção de radiações de infravermelhos na escuridão, até tecidos de roupa que avaliam os sinais vitais.

Para ver o comunicado completo, clique aqui.

[Notícia sugerida por Vitor Fernandes]  

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório