Sociedade

Governo aprova medidas para aumentar médicos

Para travar a "fuga" dos médicos do Serviço Nacional de Saúde, a ministra Ana Jorge garantiu, esta quinta-feira, que a Saúde será uma excepção à regra da Função Pública de duas saídas por cada nova contratação. No mesmo sentido, o Governo aprovou
Versão para impressão
Para travar a “fuga” dos médicos do Serviço Nacional de Saúde, a
ministra Ana Jorge garantiu, esta quinta-feira, que a Saúde será uma
excepção à regra da Função Pública de duas saídas por cada nova
contratação. No mesmo sentido, o Governo aprovou um decreto-lei que
aprova o regime de excepção à contratação de médicos reformados.

O Governo aprovou esta quinta-feira, 18 de março, em Conselho de Ministros, um decreto-lei que aprova o regime excepcional de contratação de médicos aposentados pelos serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), lê-se no Portal do Ministério da Saúde.

O diploma, aprovado na generalidade, introduz um regime excepcional de contratação de médicos aposentados pelos serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde, que autoriza a prestação de trabalho e o exercício de funções públicas por parte dos médicos que se tenham aposentado.

“Esta iniciativa que aprovámos agora na generalidade destina-se a responder a um problema real de escassez de médicos no nosso sistema”, explicou Pedro Silva Pereira, no final do Conselho de Ministros.

O regime excepcional vai permitir às estruturas do SNS, inclusivamente às próprias administrações regionais de saúde procederem à contratação em várias unidades do SNS, incluindo centros de saúde, hospitais, salientou o ministro.

Ministra garante que regra “2 para 1” não se aplica à Saúde

No mesmo dia, no parlamento, a ministra da Saúde, pressionada pela oposição a esclarecer se a regra da Função Pública “dois para um” se aplicava à Saúde, respondeu que “há na administração pública condições de exceção” e que essa situação “não se aplica obviamente” aos médicos.

A ministra afirmou ainda que, entre as medidas para impedir os médicos de sair, encontram-se a revalorização das carreiras, a reformulação da forma de trabalhar no SNS, a criação de outras condições nos cuidados primários, além das reformas das carreiras especiais na área da Saúde.

Desde o início do ano, 600 médicos já pediram a reforma antecipada, devido às novas regras previstas no Orçamento do Estado, disse ao Diário Económico Mário Jorge Neves, da Federação Nacional dos Médicos.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub