Ambiente

GNR vai repovoar rio Mondego com enguias

NULL
Versão para impressão

Aproveitando as capturas feitas no combate à pesca ilegal, a GNR da Figueira da Foz está a desenvolver um projeto de repovoamento de meixão, enguia em estado larvar, nas valas do rio Mondego, avança a agência Lusa.

Segundo o major Jorge Caseiro, comandante do Destacamento de Controlo Costeiro, o projeto passa pelo estudo e tratamento do meixão após a apreensão e posterior reintrodução em meio aquático.

“É um projeto de repovoamento do meixão nas valas do rio Mondego, partindo do meixão que vamos capturando ao longo do ano”, disse o oficial da GNR.

O projeto vai ser apresentado a instituições universitárias – “em especial à universidade de Coimbra” – e a entidades públicas, como as autarquias da região, “que conhecem bem as valas do Mondego”, adiantou.

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), a Administração da Região Hidrográfica do Centro (ARHC), associações ambientalistas, escolas e órgãos de comunicação social são outros organismos que o Destacamento de Controlo Costeiro da GNR  pretende ver associados à iniciativa.

Já quanto ao financiamento, Jorge Caseiro sublinhou que o projecto poderá ser candidatado ao Fundo Europeu das Pescas, “desde logo porque estando a enguia [meixão] em perigo, existe financiamento para atividades que permitam a sua preservação”, bem como ao Programa Operacional Pesca (PROMAR), “que dispõe de fundos para a defesa das comunidades”.

Crime ambiental

O projeto inclui ainda uma componente de sensibilização da comunidade e das crianças em idade escolar para o “autêntico crime ambiental” que a pesca do meixão constitui, estando prevista a sua apresentação em escolas da Figueira da Foz e Montemor-o-Velho.

As enguias adultas desovam no mar dos Sargaços – situado a oeste dos Açores, a meio do Atlântico – a 400 metros de profundidade e as larvas atravessam o oceano levadas pelas correntes. Migram para a costa leste norte-americana e para a costa ocidental europeia e entram nos rios como meixão, completando um processo de metamorfose “da água salgada para a água doce”, explicou Jorge Caseiro.

A pesca ilegal de meixão tem sido alvo de sucessivas operações de combate por parte das autoridades, chegando as enguias bebés a atingir, quando comercializadas, preços de 400 a 500 euros por quilo.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório