Desporto Em Destaque

Futebol (não) é para meninas!

É assim que alguma parte da sociedade pensa, apesar disso as mulheres têm sido importantes para o desenvolvimento do futebol até aos dias de hoje.
Versão para impressão
*por Rita Lara Marquês, no âmbito do Estágio Curricular – Licenciatura Jornalismo Instituto Superior Miguel Torga

O primeiro jogo de futebol feminino aconteceu em 1892 na cidade Glasgow, Escócia. Nettie Honeyball, ativista dos direitos das mulheres, fundou o clube britânico de desporto chamado Ladies Footbal Club. Com isto queria mostrar que as mulheres podiam alcançar a independência e conquistar um lugar na sociedade.

As coisas mudaram e há cada vez mais praticantes de futebol feminino com treinadores que têm formação precisa. Mónica Jorge, Selecionadora Nacional de Futebol, fala sobre a evolução deste desporto dizendo que “a Federação Portuguesa de Futebol bateu o seu recorde absoluto de praticantes de futebol feminino federadas, com 4.062 jogadoras inscritas em fevereiro de 2016/17. Este número representa um crescimento na ordem dos 33 por cento, em relação a período homólogo da época anterior. O crescimento fez-se sentir de forma vertiginosa nas camadas jovens, já que 3010 jogadoras inscritas estão em idade júnior (mais mil jogadoras  que na época passada) ”.

Já não são apenas familiares e amigos que acompanham as equipas ao estádio, existem muitos adeptos que vibram com o futebol feminino.

Nos dias de hoje aumentou significativamente o público que assiste aos jogos do futebol feminino. Um dos motivos poderá ser por haver “melhores condições de treino e mais competições a disputar”, diz Mónica Jorge que espera que a família das jogadoras as apoie. “Existe o preconceito enraizado que o futebol é um desporto só para rapazes, pelo que muitos pais podem não alimentar o interesse das filhas no futebol”.

Dando cada vez mais nas vistas e mostrando que são capazes, a Seleção Portuguesa vai estrear-se neste ano no Euro 2017. Um facto “inédito que justifica a aposta da Federação Portuguesa de Futebol, bem como o empenhamento dos clubes, das associações distritais e regionais de futebol, dos treinadores e das jogadoras”, sublinha a selecionadora.

Algumas decisões têm sido fundamentais para o sucesso das jogadoras nacionais:

  • A imigração das jogadoras portuguesas;
  • O convite para criar equipas femininas por parte dos clubes portugueses que são mais conhecidos no futebol masculino como o Estoril e o Sporting de Braga;

Há mais de 2,000 jogadoras federadas em Portugal. E os clubes apostam mais nesta formação.

Ana Rute Rodrigues, jogadora da Associação Desportiva de Poiares (ADP) e da seleção sub-19 e fã de Cristiano Ronaldo, e revela que os pais adoram que ela jogue futebol e sente-se uma “sortuda” por ter o apoio da família.

Diz ser “muito diferente” jogar na Seleção porque considera que é um reconhecimento de “competência, exigência e eficácia”.

Depois de ter contribuído para um título no clube da Associação Desportiva de Poiares – campeão da série D, a jogadora afiram que “ todo o trabalho, esforço e dedicação das jogadoras e equipa técnica foram recompensados” e o próximo objetivo “é conseguirmos a subida para a Liga Allianz”.

Marisa Simões, que joga como ala e a extremo, sente-se “realizada” pela vitória da ADP e acrescenta que a evolução do futebol feminino em alguns clubes “ traz mais visibilidade e curiosidade. Mas acho que ainda falta muita coisa para haver realmente uma evolução”.

Apesar das conquistas que estão a levar este desporto mais longe, o futebol feminino ainda precisa de superar o preconceito. Quem o diz é Carolina que joga no Clube Condeixa: “se for para termos destaque a nível formativo, sim é preciso provar muito mais do que o futebol masculino. Só se ouve falar em acontecimentos mais importantes ou pela seleção ou quando é taças, de resto não se ouve a falar como se fala em futebol masculino.”

A defesa esquerda do mesmo clube, Liane Oliveira, concorda que o “futebol é visto como um desporto de homens, nós temos que nos esforçar a dobrar, muitas vezes com um terço das condições para provarmos o nosso valor, que as pessoas estão erradas e que o futebol não é um desporto de géneros”.

Alguns treinadores não aceitam trabalhar com equipas femininas por pensarem que as mulheres não têm as mesmas capacidades que os jogadores masculinos. O treinador do Clube de Condeixa, José Sobral, refere que “ treinar mulheres é um desafio. Um bom desafio. Claro que há muitas diferenças, mas o futebol feminino é super atrativo”. Confessa que “as mulheres são até mais exigentes que os homens, querem tudo ao pormenor e quando não perceber exigem sabem porque razão vamos por ali e não por acolá”.

Abordando o momento em que foi convidado para treinar esta equipa feminina, João Lourenço diz ter tido “dúvidas”, mas quando começou a perceber a ambição e a força que as jogadoras tinham percebeu que tinha feito uma boa opção. A maior vitória foi ganhar o campeonato. “Esta conquista gerou um sentimento de enorme orgulho e satisfação, não só por ter sido com grande mérito, mas principalmente por ver que o trabalho feito por todos nós nestes meses que temos estados juntos trouxeram para além das boas exibições os resultados que se conhecem e que culminaram com a conquista do primeiro lugar da série”, mencionou o treinador.

“Existe uma excelente relação” – é assim que o guarda-redes da Associação Desportiva de Poiares, Sérgio Lourenço, fala sobre a ligação entre futebol feminino e masculino. O jogador garante que “toda a equipa sénior gosta que a equipa feminina treine e jogue bem.”

Quem também concorda é Emanuel, guarda-redes do Clube de Condeixa, que revela falarem “sobre aspetos técnicos e táticos”.

O treinador da equipa de futebol masculino da Associação Desportiva de Poiares, Luís Girão, não diz que não se algum dia lhe surgir um convite para treinar uma equipa feminina, a razão é porque tem “estado mais atento ao futebol feminino e vejo que houve bastante evolução”. Acredita que o “ futebol feminino ainda não está no mesmo patamar do masculino mas, o futebol de hoje, já não é só um futebol para homens”.

Há quem ache que o preconceito vem das pessoas. Carla Couto, que colocou de lado o futebol em 2012, sublinha que “já está mais que provado e visto que o futebol feminino tem qualidade, as atletas portuguesas são atletas de grande qualidade, portanto o preconceito está mesmo na cabeça de algumas pessoas, estou em querer e tenho convicção que cada vez vai sendo menos esse preconceito”.

O pai de Carla Couto foi a causa principal para a ex-jogadora ter começado a praticar esta modalidade, conseguindo tornar-se numa das melhores jogadoras de Portugal. Carla acredita que o apoio familiar foi fundamental no seu caso – o pai e a mãe foram os maiores apoios porque “eram as pessoas mais próximas de mim” diz.

Edite Fernandes que, durante oito anos foi capitã da Seleção Nacional, assume que “já não existe tanto preconceito como antigamente, o futebol feminino conseguiu conquistar pouco a pouco um espaço no desporto Nacional. E a nossa sociedade está muito mais recetiva à modalidade”.

Ao falar da sua evolução, destaca o facto de existir “já uma pequena evolução do futebol feminino, mas no entanto ainda há muito trabalho por fazer”. O crescimento “vê-se principalmente pelo número de praticantes, devemos continuar a trabalhar nesse sentido e dar importância à formação que serão a base de sustentação das equipas no futuro” porque, segundo a antiga jogadora, o importante é “sonhar e acreditar que é possível, comigo foi assim e consegui permanecer durante muitos anos”.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub