Negócios e Empreendorismo

Exportações de minérios metálicos aumentam 17%

As exportações portuguesas de minérios metálicos não ferrosos registaram, em 2011, um aumento de 17,82%, o que resulta num valor de 469 milhões de euros, face aos 398 milhões de euros assinalados em 2010.
Versão para impressão

As exportações portuguesas de minérios metálicos não ferrosos registaram, em 2011, um aumento de 17,82%, o que resulta num valor de 469 milhões de euros, face aos 398 milhões de euros assinalados em 2010. Os dados foram avançados pelo INE à Associação Nacional da Industria Extractiva e Transformadora (ANIET).

As exportações dos minérios de tungsténio (volfrâmio) foram as que registaram uma maior subida: perto de 74%. As exportações de estanho aumentaram 48,23%. O cobre continua também a destacar-se com um valor global de vendas de 238 milhões de euros o que significa um acréscimo de 26% em relação a 2010. As exportações de zinco cresceram 14,28%

Estes números, revelam o potencial geológico de Portugal no contexto mundial, designadamente no setor dos minérios metálicos, destacando-se na produção de cobre na mina de Neves Corvo (Alentejo), uma das mais ricas da Europa, e na produção de volfrâmio na mina da Panasqueira (Beira Alta), onde ocupa a posição de líder como produtor europeu.

Os principais países de destino destes minérios são a Suécia, a Alemanha, a Finlândia, a Espanha e o Brasil.

Numa análise que abrange as outras indústrias extrativas (rochas ornamentais e rochas industriais) o setor exporta globalmente quase mil milhões de euros, o que representa 2,3% do valor total das exportações do país. As exportações deste subsetor (minerais metálicos) têm um peso significativo no valor global da indústria extrativa (cerca de 46%).

Indústria é fonte de desenvolvimento regional

Em comunicado, a ANIET sublinha que a maior parte dos polos da indústria extrativa estão situados no interior do país, onde constituem, muitas vezes, a única fonte de desenvolvimento regional e de emprego.

O setor extrativo revela-se estratégico uma vez que os seus produtos são as matérias-primas de indústrias essenciais ao desenvolvimento: construção, indústria química, automóvel, cerâmica, farmacêutica, alimentar, entre outras.

O caráter determinante destes recursos, para a economia e o desenvolvimento social foi reconhecido pela Comissão do Desenvolvimento Sustentável (fórum mundial que reúne todos os membros das Nações Unidas) ao escolher no ciclo do biénio 2010/2011, o setor das indústrias extrativas como um dos temas a debater.

Dados recentes da Comissão Europeia referem que a atividade industrial ligada aos recursos geológicos não energéticos da União Europeia emprega diretamente mais de um milhão de pessoas. Outros setores de atividade ligados a esta indústria geram um valor adicional anual de 1,3 biliões de euros e 30 milhões de postos de trabalho.

Clique AQUI para aceder ao site da ANIET.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório