Sociedade

Estudante cria roteiro museológico para cegos

O Museu da Região Flaviense, em Chaves, é agora mais acessível à população cega e amblíope graças ao roteiro em braille, relevo e texto ampliado criado por uma estudante da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).
Versão para impressão
[Fotografia: © Christophe Moustier]

O Museu da Região Flaviense, em Chaves, é agora mais acessível à população cega e amblíope graças ao roteiro em braille, relevo e texto ampliado criado por uma estudante da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

O roteiro tem 30 páginas em braille, relevo e texto ampliado, de forma que as pessoas cegas e com baixa visão possam identificar várias peças do espólio museológico, através de um exemplar táctil. A Câmara de Chaves imprimiu dez exemplares do roteiro, já disponíveis na receção do museu.

A ideia é “dar o primeiro passo para que o museu se torne inclusivo e acessível a pessoas com deficiência visual”, disse à agência Lusa Ana Tavares, aluna da licenciatura em Turismo da UTAD.

No âmbito da investigação “A escuridão nos museus – Acessibilidade para pessoas invisuais”, a jovem de 25 anos pretende apurar quantos museus nacionais estão preparados para receber pessoas com deficiência visual.

“Fala-se imenso na criação de acessibilidades para pessoas portadoras de deficiências motoras, mas esquecem-se das pessoas invisuais”, explica

Ana Tavares, acrescentando que ainda não existe grande abertura para este tipo de projetos porque a procura por parte dos invisuais “é pouca” e são ações “muito dispendiosas”.

Mas, ressalvou, “não existe procura porque não existe oferta”.

[Notícia sugerida pelos utilizadores Raquel Baêta e Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub