Ciência

Estrela do mar esconde segredo da ‘eterna juventude’

As estrelas do mar podem esconder o segredo da "eterna juventude". Um grupo de investigadores suecos descobriu que, quando se reproduzem através da clonagem, estas misteriosas criaturas marinhas envelhecem mais lentamente.
Versão para impressão
As estrelas do mar podem esconder o segredo da “eterna juventude”. Um grupo de investigadores suecos descobriu que, quando se reproduzem através da clonagem, estas misteriosas criaturas marinhas envelhecem muito mais lentamente do que quando o fazem por via sexual.
 
De acordo com a equipa da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, ao contrário dos humanos, as estrelas do mar conseguem reproduzir-se quer sexualmente, quer clonando-se a si próprias, sendo que este último método de reprodução parece estar associado a uma desaceleração do envelhecimento.
 
Em entrevista ao jornal sueco de língua inglesa The Local, Helen Nilsson Sköld, responsável pela investigação que chegou a esta conclusão, explica que a justificação para esta diferença está associada aos telómeros –  estruturas constituídas por fileiras repetitivas de proteínas e ADN que formam as extremidades dos cromossomas – das estrelas do mar.
 
Estas estruturas, comuns aos humanos, “guardam” e protegem dados genéticos e tornam possível a divisão celular, sendo a sua compreensão considerada essencial para entender questões ainda por esclarecer relacionadas com a velocidade do envelhecimento e, por exemplo, com o desenvolvimento de cancros.
 
Segundo Sköld, cada vez que uma célula se divide, os telómeros “encolhem” e o nosso organismo envelhece, o que também acontece com as estrelas do mar em caso de reprodução sexual. Porém, quando passam pelo processo de clonagem, os telómeros dos tecidos recém-formados passam a apresentar-se mais longos do que os dos tecidos velhos.
 
“Podemos dizer que se observa um rejuvenescimento do telómero [e da estrela do mar] quando há formação de novo tecido durante a clonagem, o que não acontece na reprodução por via sexual”, conta a investigadora.
 
No âmbito do estudo, os cientistas descobriram, também, qual o ingrediente que funciona como fonte da “eterna juventude” para as estrelas do mar: uma enzima chamada 'telomaris', que regula os telómeros durante a clonagem e da qual não existem vestígios quando a reprodução acontece sexualmente. 
 
A equipa alerta, porém, que não devemos entusiasmar-nos demasiado com a possibilidade de viver até ao próximo século. Isto porque, pelo menos por enquanto, a clonagem está muito longe de ser tão simples entre humanos, tanto a nível ético quanto científico.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório