Mundo

Encontrado hospital com 1.000 anos em Jerusalém

Em Jerusalém, foi descoberto um Hospital das Cruzadas datado com cerca de mil anos de construção. O espaço era altamente movimentado, encontrava-se dividido por tipos de doenças e patologias e tinha uma capacidade para 2.000 pacientes nas urgências.
Versão para impressão
Em Jerusalém foi descoberto um Hospital das Cruzadas com cerca de mil anos de construção. O espaço era altamente movimentado, encontrava-se dividido por tipos de doenças e patologias e tinha uma capacidade máxima para 2.000 pacientes.
 
A descoberta foi feita por uma equipa de arqueólogos israelitas, na Cidade Velha de Jerusalém. A estrutura encontrada, de grandes dimensões, assente numa galeria de arcos com 6 metros de altura, pertencia a um hospital do período das Cruzadas, há cerca de mil anos. 
 
De acordo com o comunicado da Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI), tratava-se de um local muito movimentado, sendo capaz, numa situação de emergência, de abrigar até 2 mil pacientes. Datado do período de 1099 d.C. (ano em que os Cruzados chegaram às muralhas de Jerusalém) até 1291 d.C., o edifício escondia-se sob um mercado abandonado de produtos hortícolas, numa área conhecida como Muristan.
 
Para já, a estrutura descoberta corresponde apenas a uma pequena parte do que foi aquele grande hospital, que se pensa ter uma área com cerca de 15 mil metros quadrados. A pesquisa sobre a história do centro ambulatório foi feita com documentos contemporâneos, maioritariamente escritos em latim. 
 
Renne Forestany e Amit Reem, líderes das escavações em causa, dizem que os textos dão conta de um “sofisticado hospital construído por uma ordem militar cristã chamada 'Ordem de San Juan do Hospital em Jerusalém', cujos membros se dedicavam ao cuidado e atendimento de peregrinos na Terra Santa”.
 
À semelhança dos atuais centros hospitalares, o edifício já se encontrava dividido em diferentes departamentos, tendo em conta a natureza de cada doença e as condições dos pacientes.
 
Nos documentos deixados, há, no entanto, depoimentos da época que dão a conhecer a falta de conhecimentos em medicina e higiene. Um dos relatos, por exemplo, é de um médico que conta que amputou a perna de um cavaleiro por uma pequena ferida infetada, levando o paciente à morte.

Saiba mais sobre esta descoberta AQUI, no site oficial da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub