Mundo

Descoberta gravação inédita de Martin Luther King

Foi num sótão empoeirado na cidade de Chattanooga, no estado norte-americano de Tennessee, que Stephen Tull se deparou, entre um conjunto de caixas velhas, com uma gravação inédita de Martin Luther King Jr.
Versão para impressão
Foi num sótão empoeirado na cidade de Chattanooga, no estado norte-americano de Tennessee, que Stephen Tull se deparou, entre um conjunto de caixas velhas, com uma gravação inédita de Martin Luther King Jr. A autenticidade do achado já foi reconhecida e Tull espera, agora, que seja entregue a um museu ou universidade.
 
“Não conseguia acreditar no que estava a ouvir”, confessou Tull, citado pela CNN, que, ao ouvir a gravação, se apercebeu que se tratava de uma entrevista feita pelo seu pai ao icónico ativista político norte-americano.
 
O pai de Tull cresceu no Tennessee durante os anos de tensão e opressão racial e gravou a conversa com Luther King três anos antes do discurso que celebrizou a frase “I Have A Dream” (“Eu tenho um Sonho”), que deu em Washington, e oito anos antes do seu assassinato em Memphis.

Entrevista foca importância da não-violência
 

Ao longo da entrevista Luther King aborda a sua definição de não-violência e a importância desta no movimento dos direitos civis. “Eu diria que a não-violência é um método que procura alcançar um fim moral por meios morais”, afirma, acrescentando que esta resulta “de todo o conceito de amor, porque uma pessoa que não é violenta tem um espírito de amor, recusa-se a magoar o oponente porque o ama”. 
 
“Estou convencido de que quando os livros de história forem escritos nos anos vindouros, os historiadores vão recordar este movimento como um dos mais épicos da nossa herança”, continua o ativista, também pastor protestante, para quem este “representa a luta no seu mais elevado nível de dignidade e disciplina”.
 
Luther King descreve, ainda, na gravação, uma viagem recente a África, explicando ao pai de Tull a importância do movimento dos direitos civis nos EUA e no estrangeiro e revelando que “há interesse e preocupação em África acerca da situação nos EUA. Os líderes africanos em geral, tal como a população africana, estão preocupados com a luta que está a decorrer e familiarizados com o que se passa”.
 
“Temos de resolver o problema da injustiça racial se queremos manter-nos na liderança do mundo e se esperamos manter uma voz de moralidade num mundo em que dois terços da população é de cor”, defende.
 
Keya Morgan, colecionador e perito em documentos históricos raros, autenticou a gravação encontrada e está atualmente a trabalhar, por meio da sua galeria em Nova Iorque, para encontrar “uma boa casa” para o achado numa instituição universitária ou museológica.
 
“Quando a ouvi senti-me arrepiado”, admitiu Morgan. “É como se ele estivesse sentado na nossa sala de estar a conversar connosco”, concluiu.

Um símbolo dos direitos civis dos negros
 

Martin Luther King Jr. nasceu em Atlanta a 15 de Janeiro de 1929, tendo-se tornado um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA e no resto do mundo por meio da promoção da não violência e de amor ao próximo.
 
Quatro anos antes do seu assassinato, em Memphis, a 4 de Abril de 1968, Luther King foi agraciado com o Prémio Nobel da Paz, transformando-se na pessoa mais jovem de sempre a receber o galardão.
 
Desde 1986 que os EUA o homenageiam com a celebração de um feriado nacional com o seu nome, sempre na terceira segunda-feira do mês de Janeiro, data próxima à do seu aniversário.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub