Cultura

Curtas portuguesas esgotam cinema de Nova Iorque

A 3ª edição do New York Portuguese Short Film Festival, um evento que, desde 2011, divulga o trabalho de realizadores, atores e produtores portugueses em Nova Iorque, EUA, fez esgotar, este fim-de-semana, a sala dos Cinemas Tribeca.
Versão para impressão
A 3ª edição do New York Portuguese Short Film Festival, um evento que, desde 2011, divulga o trabalho de realizadores, atores e produtores portugueses em Nova Iorque, EUA, fez esgotar, este fim-de-semana, a sala dos Cinemas Tribeca, naquela cidade norte-americana.
 
Este ano, o festival, organizado pelo Arte Institute, contou com 13 filmes selecionados para participar entre um total de 100 candidatos. Em declarações à Lusa, Ana Ventura Miranda, a diretora da organização, revelou que “a participação foi muito superior à dos anos anteriores, tendo quase duplicado” e que “a qualidade dos filmes se manteve”.
 
Segundo a responsável, o objetivo do festival é que o mesmo se constitua como “uma ponte para outros mercados, como o americano”. A edição deste ano, por exemplo, já produziu resultados: duas curtas-metragens nacionais foram selecionadas para o Provincetown International Film Festival e para o Queens World Film Festival. 
 
No primeiro dia do evento, que terminou este domingo, amantes de cinema portugueses, brasileiros, espanhóis, norte-americanos e suíços, “muitos deles ligados à indústria, como produtores, atores e distribuidores”, encheram a sala dos Cinemas Tribeca. 

Jurados estrangeiros surpreendidos com “ambição”
 

O júri convidado pela organização para avaliar os filmes a concurso contou com personalidades do meio cinematográfico português, brasileiro e americano, tais como Alejandro Merizalde (do museu MoMA), o argumentista Rui Vilhena, o ator Ricardo Pereira ou o 'blogger' Carlos Filipe Freitas.
 
Entre os jurados estiveram ainda Jared Earley, diretor de programação do Provincetown International Film Festival, Isil Bagdadi, fundadora da produtora CAVU, e o realizador Americano Don Cato.
 
Bagdadi, que também desempenhou funções de júri no festival Sundance, explicou, ouvida pela Lusa, que os critérios de seleção [das melhores curtas] foram “o gosto pessoal, a originalidade e a qualidade da produção”, e admitiu que o que mais a surpreendeu foi “a ambição dos jovens realizadores portugueses”.
 
 “Não conhecia muito cinema português, por isso achei inacreditável a qualidade dos concorrentes. A qualidade técnica, a densidade das histórias, muitas delas podiam ser transformadas em longas-metragens, o que mostra a ambição dos realizadores”, salientou Isil Bagdadi. 
 
O New York Portuguese Short Film Festival foi o primeiro festival de cinema português a chegar aos Estados Unidos e acontece em simultâneo em Portugal, no Brasil e em Inglaterra. O evento conta com o apoio da cidade de Nova Iorque, por intermédio do seu departamento de assuntos culturais. 
 
A organização é da responsabilidade do Arte Institute, entidade sem fins lucrativos fundada a 11 de Abril de 2011 com sede em Nova Iorque, que dinamiza a produção e difusão de artistas e projetos de arte contemporânea portuguesa. 

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub