Cultura

Curta-metragem mais premiada da história

A curta-metragem "Porque hay cosas que nunca se olvidan", do realizador espanhol Lucas Figueroa entrou para o Livro de Recordes do Guiness como a mais premiada da história depois de ter sido vencedora de quase 300 prémios em vários festivais de cinem
Versão para impressão
A curta-metragem “Porque hay cosas que nunca se olvidan”, do realizador espanhol Lucas Figueroa entrou para o Livro de Recordes do Guiness como a mais premiada da história depois de ter sido vencedora de quase 300 prémios em vários festivais de cinema.

O filme foi rodado em Segóvia e ambientado na Nápoles de 1950. A película tem 13 minutos e é falada em italiano. Conta a história de quatro miúdos que jogam futebol até que a bola lhes foge e é retirada para que não joguem mais. “Aí, a vingança será terrível”, promete Figueroa que se encarregou ele próprio da montagem, produção, direção artística e banda sonora do filme.

“O humor negro é o mais universal que há. Esse tem sido o seu gancho em todo o mundo”, disse ao diário ABC.es, Figueroa, natural da Argentina, mas filho de espanhóis, que nos últimos dois anos tem levado o filme, uma mistura de terror e humor, ao circuito de Festivais de cinema italianos, ingleses, polacos e tantos outros que podem ser consultados aqui.

Veja o filme no vídeo abaixo.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub