Sociedade

Comunidade junta-se para comprar cadeira de rodas

Em menos de duas semanas, duas irmãs gémeas de 17 anos de idade já juntaram cerca de metade dos fundos necessários para comprar cadeiras de rodas. A campanha foi lançada pela família, depois de um incêndio destruir as 'pernas' das duas jovens com par
Versão para impressão
Duas irmãs gémeas com paralisia cerebral perderam, recentemente, as suas preciosas cadeiras de rodas num acidente rodoviário. A sua história está a comover a comunidade online que, em menos de duas semanas, já doou quase metade do valor necessário para comprar novas cadeiras.

A campanha foi lançada pela família, depois de um incêndio destruir as cadeiras que garantiam a mobilidade das duas jovens com paralisia cerebral.
 

Tudo aconteceu quando, no início do mês, o carro adaptado em que seguiam, ardeu, com as suas cadeiras de rodas elétricas no interior. As duas irmãs seguiam viagem com a mãe, que juntamente com as irmãs das jovens e o cunhado, as salvou das chamas. 
 
Inês e Rita sobreviveram ao acidente, mas o fogo levou as 'pernas' em que andavam: duas cadeiras de rodas elétricas, totalmente adaptadas aos seus corpos e às dimensões do prédio onde vivem em Massamá, no concelho de Sintra e que tinham custado 25 mil euros cada.
 
As duas irmãs concorreram ao ensino superior e esperam ingressar na faculdade já no próximo ano. Mas agora, sem a autonomia oferecida pelas cadeiras de rodas no seu dia-a-dia, o sonho de Rita e Inês corre o risco de cair por terra. 
 
“Somos felizes, inteligentes, com uma força de vontade e energia enormes, pelo que o nosso pequeno grande Mundo desabou quando vimos as cadeiras ardidas, pois sabemos que os tempos em que vivemos não permitem aos nossos pais adquirir este bem essencial”, lê-se na página de Facebook.

Até à data, nenhuma companhia de seguros se dispôs a assegurar os aparelhos de deslocação, pelo que os 25.000 euros tinha custado cada uma das cadeiras, foram totalmente perdidos.
 
“Tratavam-se de cadeiras totalmente adaptadas aos nossos posicionamentos, posturas, anti-escaras, com dimensões ajustadas ao prédio onde vivemos”, conta Ana Lúcia, uma das três irmãs das gémeas.
O Instituto de Segurança Social mostrou-se sensibilizado e compreendeu a situação. Avançou com uma promessa de ajudar, mas sem nenhuma previsão de valores ou datas. 
 
A família, sem dinheiro para uma compra de tão avultado valor (50.000 euros no total, para as duas cadeiras), lançou uma campanha on-line, para angariar fundos. 
 
“Estamos numa corrida contra o tempo. São meses e até anos de fisioterapia que se perdem, devido à falta das cadeiras adaptadas. Não podemos esperar”, explica Ana Lúcia. 
 
A campanha foi batizada de €2×25.000 e o apelo é apenas um: “Se 25.000 pessoas contribuírem com €2 cada, as nossas irmãs voltam a ter cadeiras para andar”. 
 
A história das gémeas de Massamá tem gerado uma enorme onda de solidariedade pela Internet e são muitos aqueles que já contribuíram para a causa. Na passada terça-feira, dez dias depois do acidente, era anunciado na página: “Estamos a 30.400 euros do nosso objetivo, isto é, a menos de 5.000 euros de uma cadeira!”. 

Clique AQUI para aceder à página da campanha “2€ x 25.000” no Facebook.

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub