Cultura

Cientistas decifram “ADN cultural”

Cientistas norte-americanos serviram-se de cinco milhões de livros digitalizados através de uma ferramenta da Google para decifrar o "genoma" da cultura humana, identificando as palavras mais usadas em cada época e analisando a evolução da sintaxe.
Versão para impressão
Cientistas norte-americanos serviram-se de cinco milhões de livros digitalizados através de uma ferramenta da Google para decifrar o “genoma” da cultura humana, identificando as palavras mais usadas em cada época e analisando a evolução da sintaxe.

Yet Erez Lieberman Aiden e Jean-Baptiste Michel, da Universidade de Harvard, são os autores do estudo publicado na revista Science, que originou a criação de uma base de dados com palavras e expressões utilizadas em obras de língua inglesa, espanhola, francesa, alemã, chinesa, russa e hebraica.

Desta forma, sempre que o utilizador pesquisa um vocábulo, a ferramenta produz automaticamente um gráfico que ilustra o uso dessa palavra ao longo dos tempos, baseando-se na regularidade com que aparece nos livros digitalizados.

Um dos exemplos mencionados pelos investigadores é o uso de formas verbais irregulares, que é uma amostra da forma como as várias línguas evoluíram ao longo dos séculos.

Caroline Winterer, da Universidade de Stanford, crê que esta nova ferramenta – disponível em – dota os historiadores de informação mais completa acerca das palavras que os povos utilizavam no passado para descrever o seu quotidiano.

“Outrora seria necessário ler obras inteiras para encontrar dois ou três exemplos que depois não podiam ser comprovados. Para melhor ou pior, [esta ferramenta] oferece uma ideia mais precisa de certos aspetos da humanidade”, declarou à rádio norte-americana NPR.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub