Ambiente

ChoveChuva: Já é possível filtrar a água da chuva

A empresa Hidrologia desenvolveu uma mecanismo que permite recolher a água da chuva e usá-la para outras finalidades. O ChoveChuva, que já está a ser usado em escolas de Belo Horizonte, no Brasil, filtra os aguaceiros, melhorando a sua qualidade. Est
Versão para impressão
A empresa Hidrologia desenvolveu um mecanismo simples e económico que recolhe água da chuva, a partir dos telhados, e usá-la para outras finalidades. O ChoveChuva já está a ser usado em escolas de Belo Horizonte, no Brasil, e filtra os aguaceiros tornando a água potável. O equipamento pode ser adquirido online, com um custo de 788 reais (cerca de 243 euros).

O ChoveChuva, que foi desenhado para ser usado em residências, é uma versão melhorada dos coletores que já existiam nas escolas daquela região, uma vez que a legislação local obrigou a que todas as escolas tivessem um mecanismo de recolha de águas pluviais, explica ao site brasileiro Ciclo Vivo Isabella Cordeiro Cantarelli, engenheira ambiental.

Durante o processo de filtragem, a água passa por quatro fases. A primeira é a separação de possíveis resíduos. Depois a água segue para um compartimento onde existem várias pedras com calcário, responsáveis por regular os níveis de acidez.

Na terceira fase, há uma adição de cloro ao líquido pluvial que elimina os micro-organismos aqui presentes, de acordo com as normas do Ministério da Saúde. Por fim, dá-se a filtragem, onde são retirados os resíduos finais presentes na água.

Poucos custos de manutenção

Isabella garante que esta água é potável, embora não possa ser oficialmente usada para consumo próprio, devido à legislação brasileira. Contudo, a água pode ser usada para outros fins como, por exemplo, o banho, a lavagem das mãos e roupas, entre outros.

O ChoveChuva não precisa de ser ligado a nenhuma fonte de energia, apenas terá que ser ligado à calha da residência, sem que hajam restrições quanto ao tipo de telhado.

Quanto à manuntenção do sistema, a engenheira explicou à mesma fonte que os cuidados são minímos, tal como os custos de manutenção.

O engenho tem componentes que terão que ser frequentemente alterados, como é o caso dos fitros, do compartimento onde são armazenadas as folhas e das pastilhas de cloro. O equipamento encontra-se à venda online, com um custo de 788 reais (cerca de 243 euros).

Veja abaixo o funcionamento deste sistema.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório