Cultura

Chão ocupa cinema Nimas

O "Projecto Chão", desde há um ano e de forma temporária, ocupa espaços urbanos devolutos ou em transição. A partir daí  proporciona atividades pensadas a partir da epecificidade de cada local ocupado.  Chegou a vez do Cinema Nimas, em Lisb
Versão para impressão
O “Projecto Chão”, desde há um ano e de forma temporária, ocupa espaços urbanos devolutos ou em transição. A partir daí  proporciona atividades pensadas a partir da epecificidade de cada local ocupado.  Chegou a vez do Cinema Nimas, em Lisboa, onde até dia 26 de março poderá ver o que já não pode ser visto – cinema.  

O cinema censurado, proibido, impossível ou invisível,  fazem parte da seleção do programa.

A impossibilidade de mostrar e ver cinema, implícita no fecho de mais uma sala, como aconteceu com o Cinema Nimas na Av. 5 de Outubro que desde agosto se dedica sobretudo às artes performativas , será o tema geral do programa proposto.

A censura política, o boicote por parte do público ou dos distribuidores, as dificuldades técnicas de reprodução, as limitações do próprio cinema, ou os tabus culturais e sociais que impedem o espetador de ver estarão assim postos em evidência na seleção de filmes propostos pela programação desta iniciativa.

 É possível filmar o vento?

Amanhã às 21h30 passa o filme “Uma História do Vento” de Joris Ivens, de 1988, e o filme mudo “O Vento”, de Victor Sjöström (1879-1960), que será acompanhada por uma sessão de sonoplastia ao vivo, realizada por Rui Viana, Peter Bastien e pelo engenheiro de som Vasco Pimentel. Aqui pede-se para refletir sobre uma das limitações técnicas do cinema: como é que é possível filmar o vento?

“Forbidden Images”, “You too bar”, fazem ainda parte da programação que pode ser consultada no blogue do “Projecto Chão” ou no Myspace do Chão. Os bilhetes custam 3,5 euros.

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório