Ambiente

Caminha vai proteger aves em risco de extinção

Estão a ser implementadas medidas para garantir a reprodução do borrelho de coleira interrompida, uma ave em vias de extinção que nidifica nos areais das praias situadas entre a foz do rio Minho e o Forte do Cão.
Versão para impressão
No âmbito de várias ações de proteção da natureza e da biodiversidade nas praias situadas entre a foz do rio Minho e o Forte do Cão, estão a ser implementadas medidas para garantir a reprodução do borrelho de coleira interrompida, uma ave em vias de extinção que nidifica nos areais das respetivas praias.
 
O borrelho (Charadrius alexandrinus) é uma ave que põe os seus ovos em pequenas covas feitas na areia, o que faz com que exista o perigo de estes serem pisados pelos utilizadores das praias ou destruídos pelos tratores que as limpam, bem como por outros animais.
 
Segundo a Câmara Municipal de Caminha que, até 31 de Agosto, participa nestas ações de conservação, as medidas adotadas para assegurar a reprodução passam pela “colocação de gaiolas de proteção nos ninhos e na delimitação da área envolvente, de forma a evitar o seu pisoteio e a perturbação das aves”.
 
O munícipio sublinha ainda que a violação do perímetro de segurança ou a captura, abate ou detenção dos juvenis obrigará ao pagamento de uma coima aplicada pela entidade responsável pelo domínio marítimo.
 
Recorde-se que, em 2011, foi também implementado um projeto para proteger esta espécie que contou com o apoio de diversas entidades, entre as quais a Capitania do Porto de Caminha, o Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) e várias juntas de freguesia e associações.
 

Comentários

comentários

Pub

Aid Global

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub