Saúde

Café reduz para metade o risco de cancro no fígado

O consumo de café reduz em pelo menos 40% o risco de carcinoma hepatocelular, o tipo mais comum de cancro no fígado. A conclusão é de uma metanálise recente desenvolvida em Itália com base em mais de uma dezena de estudos.
Versão para impressão
O consumo de café reduz em pelo menos 40% o risco de carcinoma hepatocelular, o tipo mais comum de cancro no fígado. A conclusão é de uma metanálise recente desenvolvida em Itália com base em mais de uma dezena de estudos, que revelou que a ingestão de três chávenas por dia chega inclusive a diminuir em mais de 50% as hipóteses de vir a sofrer da doença.
 
Os investigadores do Instituto de Investigação Farmacológica Mario Negri e do departamento de ciências clínicas e saúde da Università degli Studi di Milano, em Itália, analisaram artigos científicos publicados entre 1996 e 2012, investigando em profundidade 16 estudos que se debruçaram sobre um total de 3.153 casos.
 
“A nossa investigação confirma as indicações de que o café é bom para a saúde e particularmente para o fígado”, explica, em comunicado, Carlo La Vecchia, principal autor do estudo publicado na revista científica Clinical Gastroenterology and Hepatology da Associação Gastroenterológica Americana.
 
“O efeito benéfico do café em relação ao cancro do fígado pode ter a ver com o potencial que este tem ao nível da prevenção da diabetes, um fator de risco da doença, bem como no combate à cirrose e nas vantagens [que a sua ingestão apresenta] para as enzimas do fígado”, acrescenta La Vecchia. 
 
Apesar de os resultados serem consistentes, o investigador e os colegas afirmam que é difícil compreender na perfeição as razões que explicam esta associação entre a ingestão de café e o carcinoma hepatocelular, pelo que, mesmo que o mesmo possa, eventualmente, ter um papel preventivo, “esse papel será sempre limitado em comparação com outras medidas” que podem e devem ser adotadas. 
 
Entre estas medidas estão a vacinação contra a hepatite B, o controlo da transmissão do vírus da hepatite C e a redução do consumo de álcool que, de acordo com os especialistas, conseguem evitar mais de 90% dos casos de cancro do fígado a nível mundial. O tabaco, a obesidade e a diabetes são também fatores de risco a ter em atenção.
 
Atualmente, o cancro no fígado é o sexto mais comum em todo o mundo e o terceiro maior causador de mortes por cancro. O carcinoma hepatocelular é o principal tipo de cancro no fígado, correspondendo a mais de 90% das manifestações da doença.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub