Saúde

Botox eficaz no tratamento da incontinência urinária

Um estudo científico liderado por um português revelou a sua eficácia e segurança. Os resultados já foram publicados no European Urology Journal.
Versão para impressão
Um estudo científico liderado por um português revelou que o uso de botox é eficaz e seguro no tratamento da incontinência urinária. Os resultados da investigação foram publicados no European Urology Journal e conduziram à aprovação da toxina butolínica no tratamento deste problema, prevendo-se que vão influenciar o modo como é tratado em todo o mundo.
 
Este trabalho, o maior já realizado na área, reuniu 63 centros de investigação e foi coordenado por Francisco Cruz, investigador da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e diretor do Serviço de Urologia do Hospital São João (HSJ). 
 
A equipa responsável pela investigação avaliou uma amostra de 275 pacientes, todos com esclerose múltipla ou lesões na medula-espinhal e com idades compreendidas entre os 18 e os 80 anos, que reportaram, em média, 33 episódios de incontinência urinária por semana. 
 
Um terço da amostra foi injetada de forma minimamente invasiva com 200 mg de toxina butolínica – mais conhecida por botox -, outra parte recebeu 300 mg e ao terceiro grupo foi administrado um placebo. Duas semanas depois, os investigadores registaram uma melhoria significativa dos sintomas nos pacientes injetados com a substância.
 
Ao fim das seis semanas de avaliação, 38% dos pacientes tratados com 200 mg de botox e 39% dos que receberam 300 mg estavam continentes, ou seja, capaz de controlar integralmente a sua vontade de urinar. 
Além das conclusões obtidas, o estudo permitiu ainda definir a dose ideal a administrar a estes pacientes.
 
 “Embora as duas doses tenham sido bem toleradas sem diferenças clínicas relevantes na eficácia ou duração do efeito, os resultados sugerem que a dose de 200 miligramas apresenta benefícios em termos de segurança”, explicou Francisco Cruz à agência Lusa. 

Utilização de botox já foi aprovada em muitas nações
 
A incontinência urinária, que afeta milhões em vários países, tem um impacto muito negativo na qualidade de vida dos pacientes. Em parte, esse impacto deve-se aos efeitos secundários intoleráveis provocados pelos anticolinérgicos, os únicos fármacos utilizados, até ao momento, no tratamento.
 
Porém, esta realidade está prestes a mudar, uma vez que a utilização de botox com fins terapêuticos já foi aprovada em muitas nações europeias, entre as quais Portugal, e nos EUA. 
 
De acordo com a FMUP, a equipa liderada por Francisco Cruz desenvolve trabalho de referência na área da incontinência, participando em projetos europeus de grandes dimensões e publicando os resultados das pesquisas promovidas naquela faculdade nas mais reputadas revistas científicas desta área clínica. 

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado no European Urology Journal (em inglês).

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório