Saúde

Bebé ressuscitado depois de 25 minutos sem vida

A filha da inglesa Rachel Claxton nasceu sem vida devido a uma patologia conhecia como asfixia prénatal. Depois de 25 minutos a tentar reanimar o bebé através de um tratamento de hipotermia, a equipa do Rosie Hospital conseguiu salvar a menina. Como
Versão para impressão
A filha da inglesa Rachel Claxton nasceu sem vida devido a uma patologia conhecia como asfixia prénatal. Depois de 25 minutos a tentar reanimar o bebé através de um tratamento de hipotermia, a equipa do Rosie Hospital conseguiu salvar a menina. Como forma de agradecimento, a mãe lançou uma campanha para angariar fundos para o hospital.

Há nove meses atrás, Rachel Claxton deu à luz um nado morto que, com o esforço da equipa médica, foi reanimado ao fim de 25 minutos graças à técnica de hipotermia induzida. A criança, de nome Ella, está agora bem e tem-se desenvolvido sem problemas.

Mas a mãe não esqueceu o esforço do hospital nem o sofrimento daqueles minutos em que esperou para saber se a sua filha iria sobreviver, pelo que deixa um alerta para os perigos da asfixia pré-natal.

“Quando entrei em trabalho todos os monitores indicavam que os sinais vitais estavam bem”. O parto foi muito rápido e em pouco tempo a bebé nascia. “A única coisa que me lembro foi de ver sangue a sair do seu nariz”, recorda Rachel num testemunho que deixou no site do hospital.

“Os 45 minutos seguintes foram os mais longos da minha vida […]. Vi alguém a fazer compressões no peito da minha bebé e sacos de sangue a passar”, acrescenta. “Quarenta e cinco minutos depois disseram que ela estava bem e mais tarde soube que tinha estado 25 minutos sem vida”.

“Acredito que foi o tratamento de hipotermia induzida que salvou a minha filha de severos danos cerebrais ou mesmo da morte. Ela tem quase 10 meses e está muito saudável”, conta Rachel, sublinhando que Ella continua a ser acompanhada no Rosie Hospital.

Em forma de agradecimento e apoio ao hospital, Rachel decidiu lançar uma campanha para doar 7 milhões de libras (8,2 milhões de euros) para reformar uma ala da maternidade daquela unidade hospitalar. Metade dessa verba já foi arrecadada.

Tratamento inovador já é usado em Portugal

A asfixia neonatal é uma das principais causas de morte de recém nascidos podendo também causar sérias lesões cerebrais nos bebés que sobrevivem. Em Portugal, estima-se que a incidência aproximada de casos de encefalopatia hipóxico-isquémica (a vertente mais grave de asfixia neonatal) se situe num valor entre 100 a 400 casos por ano.

Até agora, os tratamentos utilizados não conseguiam travar a condição mas o hipotermia induzida tem tido excelentes resultados, sobretudo no Reino Unido. A técnica foi usada pela primeira vez em Portugal no hospital Santa Maria, Lisboa, em janeiro de 2010 e está a ser estendida a outras unidades de saúde.

Saiba mais sobre a utilização da hipotermina induzida em Portugal AQUI.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub