Saúde

Banco de Leite Humano já funciona em Portugal

A Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, tem a funcionar nos seus serviços um projeto inovador no nosso país e que marca a diferença na vida de quem acabou de nascer: o primeiro Banco de Leite Humano em Portugal, destinado a bebés prematuros.
Versão para impressão
A Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, tem a funcionar nos seus serviços um projeto inovador no nosso país e que marca a diferença na vida de quem acabou de nascer: o primeiro Banco de Leite Humano em Portugal, destinado a bebés prematuros.

O funcionamento do Banco de Leite Humano (BLH) é possível graças a dadoras que são recrutadas entre as mulheres que tiveram bebés recentemente. Segundo os últimos dados disponíveis no site da MAC, 26 mulheres já doaram leite excedente que serviu para alimentar 40 recém-nascidos do serviço de neonatologia do Hospital.

O leite é recolhido na casa da dadora que o congela seguindo todas as regras de higiene e controlo estabelecidas. Posteriormente é transportado por uma equipa especializada para o Banco de Leite da MAC, onde é analisado e pasteurizado.

O processo de pasteurização é essencial e consiste num tratamento térmico que destrói bactérias e vírus naturais da extração do leite. Assim, as mães dos recém-nascidos, que por motivos alheios às próprias não têm leite suficiente para amamentar o seu bebé, podem confiar nas vantagens do leite pasteurizado da dadora.

“Altruísmo” é força motriz das dadoras de leite

“Constata-se um excecional e louvável altruísmo, uma adesão excelente aos procedimentos, que se tem traduzido numa excelente qualidade microbiológica e nutricional do leite já recebido”, referiu a MAC, citada pelo Público em outubro, num primeiro balanço do projeto.

A amamentação traz inúmeras vantagens em relação ao leite artificial, segundo defendem os especialistas. O BLH permite, assim, minimizar os riscos de bebés que nasceram antes do tempo, que corram risco de vida ou que têm algum tipo de distúrbios digestivos. Permite corresponder às necessidades de nutrição infantil, função gastrointestinal, defesas e bem-estar, um equilíbrio que se quer essencial nos primeiros dias de vida.

As dadoras são criteriosamente escolhidas. Ficam excluídas à partida as mulheres que têm comportamentos e hábitos de risco, hábitos tabágicos, doenças e infeções.

“Trata-se de mães verdadeiras heroínas, que não só se preocupam com os seus filhos, como têm generosidade para pensar nos prematuros de outras mães com pouco ou nenhum leite”, descreveu ainda unidade de saúde.

Para a criação do Banco de Leite Humano, lançado há cerca de seis meses, a MAC terá investido cerca de 40 mil euros no equipamento necessário à constituição deste serviço que será estendido, em princípio, a outros serviços de cuidados neonatais.

[Notícia sugerida pela utilizadora Marisa Nogueira]

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório