Sociedade

Azenha do Mar lança cabaz inovador com peixe fresco

O 'cabaz do mar', um projeto da comunidade piscatória da Azenha do Mar, no concelho de Odemira, já está a ser entregue à porta dos clientes das freguesias mais próximas, com peixe fresquinho e poucos intermediários.
Versão para impressão
Estão na moda os cabazes de fruta e vegetais vindos diretamente dos produtores. Mas na Azenha do Mar, no concelho de Odemira, está a ser entregue à porta dos clientes das freguesias próximas um cabaz com recheio diferente composto por peixe fresco.
 
O “cabaz do mar”, desenvolvido pela Associação Cultural e de Desenvolvimento de Pescadores e Moradores da Azenha do Mar, está a dar novas oportunidades aos pescadores, oferecendo ao mesmo tempo um produto de excelência para os consumidores.

O ex-pescador José Glória e a coordenadora do projeto, Ivânia Guerreiro, da cooperativa Taipa, a entidade promotora, compram, amanham e embalam o peixe para depois distribuírem os cabazes pelos clientes, que o podem receber semanal, quinzenal ou mensalmente.
 
Na lota, por onde o peixe tem obrigatoriamente de passar, o preço de compra é negociado com os pescadores de uma forma considerada mais justa.
 
“E é por isso que eu estou mais metido nisto”, assegurou José Glória, que considera “uma vergonha” que algumas espécies sejam pagas ao pescador a menos de um euro por quilo, como é o caso da faneca, sendo depois vendidas no mercado “a sete ou oito euros”.
 
Segundo Ivânia Guerreiro, reduzindo o número de intermediários, é possível fazer reverter metade do valor cobrado aos clientes para os pescadores.
 
Além disso, um terço do peso do cabaz, ou seja, um quilo, é sempre constituído por espécies “menos valorizadas” pelos consumidores. No dia em que a agência Lusa acompanhou os pescadores, o cabaz incluía choupas mas também polvo, bicas, besugos e salmonetes.

Cabaz vai ter receitas dos pescadores 
 
A responsável garante que “todo o peixe é bom grelhado ou no forno”, para mais quando é entregue aos clientes, no máximo, 24 horas após a apanha. “Isto faz com que o pescado que, supostamente, não teria tanta qualidade, passe a ter”, afirmou.
 
Por enquanto, as entregas estão circunscritas às freguesias do litoral de Odemira, até porque este é o maior concelho do país, com mais de 1.700 quilómetros quadrados.
 
Apesar de existirem pessoas interessadas em localidades do interior, como Sabóia, a cerca de 35 quilómetros, é difícil rentabilizar o serviço, devido ao custo do combustível e ao tempo que se demora a percorrer os caminhos.
 
Com o tempo, a Taipa deseja que o projeto, que está no terreno “a sério” há menos de um mês, se expanda para os outros portos de pesca do concelho.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub