Ciência

Acampar melhora o sono e ajusta o relógio biológico

Uma semana ao ar livre pode trazer mais benefícios do que se imagina. Um estudo da Universidade do Colorado Boulder, nos EUA, revela que a exposição prolongada à luz natural melhora o sono e o relógio biológico.
Versão para impressão
Uma semana ao ar livre pode trazer mais benefícios do que se imagina. Um estudo da Universidade do Colorado Boulder, nos EUA, revela que a exposição prolongada à luz natural melhora o sono e o relógio biológico.
 
Sete dias a acampar nas Montanhas Rochosas, no Colorado (EUA), foram o suficiente para oito pessoas sincronizarem os seus relógios biológico com o nascer e o pôr-do-sol. Os investigadores deram conta de que o contacto permanente com a natureza permitiu uma adaptação rápida e eficaz do relógio humano ao ciclo do dia.
 
“É espantoso como o nosso relógio se sincroniza tão fácil e perfeitamente  com a luz solar num tão curto espaço de tempo”, refere o líder da investigação, Kenneth Wright.
 
Segundo o estudo, a luz elétrica, acessível a todos desde os anos 30, interferiu de forma significativa com o nosso relógio interno. A possibilidade de clicar num interruptor e de encher um quarto de luz permite às pessoas ficarem acordadas muito mais tempo do que aquilo que seria  normal. 
 
Por isso, uma das condições desta investigação foi a privação completa de eletricidade à noite. Para quantificar ao certo os efeitos, a equipa de especialistas analisou o dia-a-dia de uma semana de trabalho de oito pessoas (seis homens e duas mulheres, com uma idade média de 30 anos) e, posteriormente, levou-as para uma semana de acampamento ao ar livre. 
 
Durante esses dias, os oito campistas foram expostos exclusivamente a luz solar e, à noite, ao brilho de uma fogueira. Não eram permitidos telemóveis nem lanternas.
 
Cada um dos participantes usava, no pulso, um monitor capaz de captar a intensidade da luz a que se encontravam submetidos, a hora a que era registada e a atividade corporal, o que permitia aos investigadores determinar quando é que o grupo adormecia.
 
Em média, o horário 'urbano' de adormecer de cada um dos participantes correspondia a duas horas mais tarde do que o registado no fim do acampamento. Além disso, a maioria acordava antes das horas de sono recomendadas. 

Rotina de sono mais saudável
 

Com a expedição ao ar livre, foi estabelecida uma nova rotina de sono, mais consistente e saudável. A hora de deitar passou para a altura do crepúsculo e o despertar acontecia ao nascer do sol, o que permita ao corpo dos participantes descansar todas as horas necessárias e, de manhã, acordar sem a habitual e desconfortável sensação de sonolência.
 
“No mundo moderno, deparamo-nos com diferentes tipos de pessoas. Há as que são mais dadas às manhãs e as que são mais noctívagas e que preferem ficar acordadas até tarde. Aquilo que aqui verificámos foi que o ciclo natural da luz, desde o nascer ao pôr-do-sol, reduz todas essas divergências”, refere Wright. 
 
O especialista diz que esta é uma nova solução para aqueles que sofrem de distúrbios do sono, que se deitam demasiado tarde e que, de manhã, sentem dificuldades de concentração. 

Clique AQUI para ler o estudo completo.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub