Ciência

A maior chuva de estrelas dos últimos 10 anos

NULL
Versão para impressão

Hoje é noite para ficar de olhos postos no céu. A atmosfera terrestre vai ser palco da maior chuva de estrelas da última década, com uma média de até 10 meteoritos por minuto. O fenómeno vai ser avistado especialmente na Europa, razão que levou especialistas de todo o mundo a viajar até ao velho continente.

A noite de 8 para 9 de outubro será uma das mais luminosas dos últimos anos. A chuva de estrelas deverá ser visível entre as 17h00 e as 19h00 UTC (Tempo Universal Coordenado), o que se traduz entre as 17h00 e as 22h00 em Portugal Continental. Além da Europa, o fenómeno vai ser visível no norte de África e na Ásia.

Apesar de a International Meteor Organization indicar que poderão surgir na atmosfera até 10 meteoritos por minuto, as condições climatéricas em algumas zonas de observação e a posição da Lua podem dificultar o processo.

“Infelizmente, apenas 5 a 20% destes meteoros serão vistos devido à luz causada pela lua cheia, por isso os observadores prevêem que apenas se aviste um meteoro por minuto ou menos”, explica a International Meteor Organization no seu site oficial.

Chuva só regressa em 2020

No entanto, este evento reveste-se de uma grande importância par a comunidade de cientistas que se organizaram para não perder o espetáculo que só deve repetir-se depois de 2020. Na Europa vão estar especialistas da NASA, numa missão conjunta com a ESA, CMRS e DLR, para estudar o fenómeno.

Esta chuva de estrelas pode chegar a ser sete vezes maior que as conhecidas Lágrimas de São Lourenço, que se observam todos os anos em Agosto.

Os meteoritos fazem parte de uma nuvem de partículas deixada pelo cometa 21P/Giacobini-Zinner entre o século XIX e princípios do século XX. Quando a Terra atravessa uma destas nuvens são visíveis na atmosfera pequenas partículas do cometa, que, graças ao seu tamanho minúsculo, não representam perigo para a população.

Para ver o espetáculo não vai precisar de nenhum equipamento especial, basta que esteja num local pouco iluminado. Em vários pontos da Europa foram criados postos de observação e Portugal não é exceção Em território nacional, o Observatório Astronómico da Ribeira Grande, em Fronteira (Alentejo) irá receber os mais curiosos.

Em Espanha, numa ação completamente inédita, irá ser lançada uma câmara de alta sensibilidade a bordo de uma sonda num balão estratosférico, que vai registar imagens. A campanha foi promovida pelo Grupo de Astrofísica Extragaláctica e Investigação Astronómica (GUAIX) da Universidade Complutense de Madrid.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

BN TV

O Boas Notícias está de volta!

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório